TIME VOLEI SENTADO SADA CRUZEIRO

Começa nesta quinta-feira, 19/09, mais uma edição do Campeonato Brasileiro de Voleibol Sentado Masculino Série Prata, e tem representante mineiro na disputa, com a equipe SADA Ampara, que representa o projeto Vôlei Sem Limites, patrocinado pelo Grupo SADA. Antes da viagem a São Paulo, os atletas do vôlei sentado fizeram nesta semana uma visita ao time no CT do Barro Preto, onde conversaram um pouco com os jogadores do SADA Cruzeiro, bateram uma bolinha na quadra e também acompanharam o treino dos cruzeirenses.

“É muito bacana este contato com eles, trocar esta energia bacana. Espero que a gente dê sorte aos jogadores, que façam o seu melhor e tenham um bom campeonato”, disse o capitão Filipe.

O torneio vai até o próximo domingo, 22, no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo. Além da equipe SADA Ampara, participam o AAPDP (Peruíbe-SP), Athlon (São José dos Campos-SP), Instituto Reagir (Pinhais-PR) e BMQ (Osasco/SP). Os times jogam entre si e quem obtiver a melhor campanha sagra-se campeão, além de garantir também o acesso à Série Ouro. O primeiro jogo dos mineiros, que buscam a classificação inédita, será nesta quinta-feira, 19, contra os paulistas do BMQ, às 17h30.

Rubledo Cássio, atleta de vôlei sentado e também taxista, gostou muito de estar frente à frente com os jogadores do SADA Cruzeiro pela primeira vez. “Foi excelente, conhecer a estrutura, ver eles treinando, e isso é muito bom pra gente. Isso dá uma motivação grande pra nós. Eu jogava vôlei convencional há muitos anos, e depois que perdi a perna, em um acidente de moto, voltei a jogar. O amor pelo voleibol é muito grande e este grupo é muito importante pra mim”, disse.

Outro jogador do SADA Ampara, Daniel Amaro, falou sobre as batalhas diárias que enfrentam. “Quando eu era criança, jogava vôlei na rua e gostava muito. Também perdi a perna em um acidente de moto há alguns anos, e quando conheci este projeto eles me convidaram para jogar e gostei demais. Já jogo há seis anos. Eu sempre me igualei a todos, não é porque sou deficiente que sou diferente. Mas tem pessoas que se trancam no próprio mundo das dificuldades. E elas são impostas pela própria pessoa, que acham que não conseguem fazer alguma coisa. Se você está vivo, está sujeito a dificuldades, então se conseguir fazer com que sua cabeça pense que você pode, não tem limites”, afirmou o jogador.

Segundo Daniel, o grupo está focado agora em fazer uma grande participação no campeonato brasileiro. “Este campeonato é muito importante para nós, pois estamos tentando o acesso para a série Ouro, que é a principal. E a expectativa é fazer um bom torneio. Mas o mais difícil é se manter na série A, por isso é tão importante este apoio. Antes era muito difícil, não tínhamos muita estrutura, apoio. Já teve época em que treinei sozinho na quadra por um tempo. Fomos chamando o pessoal, até se transformar no que está hoje. Este patrocínio da SADA ajuda muito o projeto e somos muito agradecidos. Eu acompanho muito o time, vou sempre ao Riacho ver os jogos, converso com os atletas e todos nos apoiam muito. A equipe do SADA Cruzeiro serve de inspiração pra nós”, disse.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário