Em tempos de pandemia do novo coronavírus, a solidariedade tem se espalhado e se torna ainda mais necessária. Em Igarapé, na região metropolitana de Belo Horizonte, a Associação Educativa e Cultural de Igarapé, que há 30 anos desenvolve cursos de musicalização e artes e tem até uma padaria-escola, passou a ajudar comunidades carentes com alimentos e materiais de higiene. Em Betim, na mesma região, é na Organização Regional de Combate ao Câncer (Orcca) que centenas de pacientes ganham apoio psicológico e nutricional, além de assistência farmacêutica e social.

Para que iniciativas como essas sejam cada vez mais fortes, principalmente neste momento de crise, o jornal O TEMPO traz em seu portal e também no seu perfil do Instagram, o projeto Conexão do Bem. Por meio dos milhões de internautas e espectadores alcançados, a proposta é divulgar entidades e ONGs que necessitam de ajuda para desenvolver trabalhos voluntários.

De acordo com a editora executiva dos jornais O TEMPO e Super Notícia e da rádio Super 91,7 FM Renata Nunes, a ideia nasceu no setor de responsabilidade social do Grupo Sada e é totalmente apoiada pela Sempre Editora, que também faz parte dessa rede de empresas. “A cada 15 dias, vamos divulgar o trabalho de uma dessas entidades e passar os contatos para que o público possa ajudar na manutenção de iniciativas sociais. Valorizamos a importância da solidariedade, do voluntariado e, como veículo de comunicação, acreditamos na importância desse tipo de projeto”, ressalta.

Para a coordenadora de responsabilidade social do Grupo Sada, Elisa Cunha Dias, muitas instituições ficaram esquecidas em meio às dificuldades geradas pelo coronavírus. “Com o isolamento social, isso se agravou, e pensamos em alguma forma de poder ajudar essas associações. Vamos dar voz a elas, para que se apresentem e possam divulgar seus canais de doação”, acrescenta. No primeiro mês do projeto, a Associação Educativa e Cultural de Igarapé e a Orcca são as entidades convidadas.

Reconhecimento em meio às dificuldades

Há 15 dias, a Associação Educativa e Cultural de Igarapé retomou alguns cursos profissionalizantes por meio das plataformas digitais. Segundo a coordenadora da entidade, Cássia Corradi, a instituição sofre com as dificuldades impostas pela pandemia e, para continuar o trabalho voluntário, precisa do apoio de empresas e da população. E foi por conta dessa ajuda que a associação já conseguiu distribuir mais de mil cestas básicas nos últimos quatro meses.

“É um momento em que as pessoas mais precisam. Temos uma Kombi que era usada para atividades literárias nas ruas, praças, escolas e eventos. Agora, usamos o veículo para entregar os alimentos. Quando chegamos nas comunidades carentes com as cestas, percebemos o olhar de satisfação de cada pessoa”, resume. Por fim, a dirigente lembra que, somando forças, é possível ir cada vez mais longe e ajudar ainda mais.

créditos: Jornal O TEMPO, Lucas Morais

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário